Otite média aguda

O Ouvido humano pode ser dividido em 3 porções: orelha externa, média e interna. A orelha média encontra-se logo atrás da membrana do tímpano e representa uma cavidade com ar, que se comunica com o nariz através da tuba auditiva (Fig 1). A otite média aguda é a infecção que acomete a orelha média.
Acomete, principalmente, as  crianças, com pico nos primeiros meses de vida e entre os 4 e 6 anos de vida, época de contato freqüente com outras crianças.


Fig 1.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


A otite média aguda pode ocorrer por uma falha na função da tuba auditiva, que serve para limpeza e aeração da orelha média. Esta falha pode ocorrer no adulto, mas é mais comum em crianças devido a tuba auditiva destas ser mais curta e horizontal, o que facilita o refluxo de secreção do nariz para a orelha média(Fig 2.). Também pode ocorrer devido infecções em áreas próximas ao ouvido(nariz, garganta) ou pela presença de germes agressivos na orelha média.
A otite média aguda pode ser promovida por vírus, mais comumente, e por bactérias.

 


Fig 2.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Os sintomas principais são febre e dor de ouvido intensa. Outros sintomas pode estar associados como: cansaço, diminuição da audição e chiado. Em crianças menores pode-se observar a perda de apetite, irritabilidade, choro constante e dor ao encostar na orelha. Durante a evolução pode ocorrer saída de secreção do ouvido acometido.

 


O diagnóstico é feito através dos sintomas referidos pelo paciente e pelo aspecto da membrana timpânica durante a avaliação pelo médico. O tímpano deve estar avermelhado e abaulado, podendo apresentar pus atrás do mesmo.Fig 3

Fig 3.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


O tratamento depende da avaliação pelo especialista e pode envolver o uso de antitérmicos, analgésicos, antiinflamatórios e, até, de antibióticos. A avaliação médica é de suma importância para definir se o uso do antibiótico é necessária ou pode-se aguardar a evolução por 24-48 horas.

 


Medidas podem ser tomadas para evitar que os episódios se tornem recorrentes, entre elas:

Não amamentar com a criança deitada, devido a disfunção da tuba auditiva nesta faixa etárea.

Amamentação exclusiva durante os 6 primeiros meses de vida, pois ocorre passagem de anticorpos para o recém-nascido o protegendo.

Evitar o cigarro em casa, pois elimina o fumo passivo.

Atualmente contamos com vacinas que podem diminuir a recorrência das otites.

Médico otorrino Dr Bruno Barros otorrinolaringologia São Paulo otorrinolaringologista
Médico otorrino Dr Bruno Barros otorrinolaringologia São Paulo otorrinolaringologista
Médico otorrino Dr Bruno Barros otorrinolaringologia São Paulo otorrinolaringologista