Distúrbios respiratórios do sono / apnéia obstrutiva do sono

Informações sobre Distúrbios Respiratórios do Sono



Distúrbios respiratórios do sono (DRS) é um termo geral para dificuldades respiratórias que ocorrem durante o sono. DRS podem variar de freqüentes roncos altos a Apnéia Obstrutiva do Sono (SAOS), uma condição que envolve episódios repetidos de obstrução parcial ou completa das vias aéreas durante o sono. Quando a respiração de uma criança é interrompida durante o sono, o corpo percebe isso como um fenômeno de asfixia. A freqüência cardíaca diminui, a pressão sanguínea sobe, o cérebro é estimulado, e o sono é interrompido. Os níveis de oxigênio no sangue também pode cair.

Aproximadamente 10 por cento das crianças roncam regularmente e cerca de 2-4% da população pediátrica tem apnéia(SAOS). Estudos recentes indicam que DRS discreto e ronco podem causar muitos dos mesmos problemas que a SAOS em crianças.



Será que meu filho tem Apnéia Obstrutiva do Sono?



O sintoma mais óbvio de distúrbios respiratórios do sono é o ronco alto que está presente na maioria das noites. O ressonar pode ser interrompida por um bloqueio total da respiração,ruídos de engasgos e associado com o despertar do sono. Devido à falta de sono de boa qualidade, uma criança com distúrbios respiratórios do sono pode se tornar irritável, ter sono durante o dia, ou ter dificuldade de concentração na escola. Comportamento agitado ou hiperativo também pode ser observada. Xixi na cama também é visto freqüentemente em crianças com apnéia do sono.

Uma causa física comum de estreitamento das vias aéreas, que contribui para DRS, é o aumento excessivo das amígdalas e adenóides. Crianças com excesso de peso estão em maior risco para a SAOS, porque os depósitos de gordura ao redor do pescoço e garganta também podem restringir a via aérea. Crianças com anormalidades que envolvem a mandíbula ou língua,déficits neuromusculares ou paralisia cerebral, tem um maior risco de desenvolver distúrbios respiratórios do sono.



Potenciais conseqüências de distúrbios respiratórios do sono não tratados na faixa pediátrica

• Social: ronco alto pode se tornar um problema social significativo, se uma criança divide um quarto com irmãos ou colegas.

Comportamento e aprendizagem: Crianças com DRS pode tornar-se mal-humorado, desatento, e perturbador, tanto em casa como na escola. Distúrbios respiratórios do sono também pode ser um fator que contribui para distúrbios de déficit atenção em algumas crianças.



• Enurese: DRS podem causar aumento da produção de urina à noite, o que pode levar à incontinência urinária.



• Crescimento: As crianças com DRS podem não produzir  hormônio do crescimento suficiente, resultando no crescimento anormalmente lento e retardo do desenvolvimento.

Obesidade: DRS pode induzir o organismo a ter aumento da resistência à insulina ou fadiga durante o dia com a diminuição da atividade física. Esses fatores podem contribuir para a obesidade.



Cardiovascular: SAOS pode ser associada a um aumento do risco de pressão alta ou outros problemas do coração e dos pulmões.

Como a apnéia do sono é diagnosticada?



Distúrbios respiratórios do sono em crianças devem ser considerados, se observado ronco alto, respiração ofegante, sono agitado ou enurese noturna. Os sintomas comportamentais podem incluir mudanças no humor, mau comportamento e baixo rendimento escolar. Nem todas as crianças com questões acadêmicas ou de comportamento terá DRS, mas se uma criança ronca alto regularmente e está experimentando alteração de comportamento, humor, ou problemas de desempenho escolar, distúrbios respiratórios do sono devem ser considerados. Se você perceber que seu filho tem algum destes sintomas, eles devem ser avaliados por um otorrinolaringologista. Às vezes, os médicos fazem um diagnóstico de distúrbios respiratórios do sono baseado na história e exame físico. Em outros casos, tais como em crianças com suspeita de SAOS grave devido a síndromes craniofaciais, obesidade mórbida, ou distúrbios neuromusculares ou para crianças com menos de 3 anos de idade, necessitam de testes adicionais, como uma polissonografia.


O estudo do sono ou polissonografia (PSG) é um teste objetivo para distúrbios respiratórios do sono. Fios são conectados à cabeça e o corpo para monitorar as ondas cerebrais, tensão muscular, movimento dos olhos, respiração, e nível de oxigênio no sangue. O teste não é doloroso e é geralmente realizado em um laboratório do sono ou hospital. Testes do sono podem ocasionalmente produzir resultados imprecisos, especialmente em crianças.

Tratamento para distúrbios respiratórios do sono

Amígdalas e adenóides são uma causa comum para DRS. A remoção cirúrgica das amígdalas e adenóides (adenoamigdalectomia) é geralmente considerado o tratamento de primeira linha, se os sintomas são significativos e as amígdalas e adenóides são aumentadas. A maioria das mais de 500.000 adenoamigdalectomias realizadas nos EUA a cada ano, estão sendo feitas atualmente para o tratamento de distúrbios respiratórios do sono. Muitas crianças com apnéia do sono mostram a melhoria a curto e longo prazo tanto em seu sono como comportamento após a cirurgia.

Nem todas as crianças com ronco devem ser submetidos a adenoamigalectomia, já que o procedimento tem riscos. Problemas potenciais podem incluir anestesia ou complicações das vias respiratórias, sangramento, infecção e problemas com a fala e deglutição. Se os sintomas são leves ou se o desempenho acadêmico e o comportamento não são um problema, as amígdalas são pequenas, ou a criança está perto de puberdade (amígdalas e adenóides, muitas vezes encolhem na puberdade), pode ser recomendável apenas acompanhamento e cirurgia apenas se os sintomas piorarem.

Estudos recentes mostraram que algumas crianças têm DRS persistente após a cirurgia das amígdalas e adenóides. A PSG pós-operatória pode ser necessária, especialmente em crianças com sintomas persistentes ou fatores de risco para a apnéia sono persistente após adenoamigdalectomia,  como a obesidade, anomalias craniofaciais ou problemas neuromusculares. Tratamentos adicionais, tais como perda de peso, o uso de pressão positiva contínua (CPAP) ou procedimentos cirúrgicos adicionais podem, por vezes, ser necessários.