Amigdalite ou tonsilite aguda

Amigdalite se refere à inflamação das amígdalas palatinas (glândulas na parte de trás da garganta, visíveis através da boca). A inflamação pode envolver outras áreas do fundo da garganta, incluindo a adenóide e as amígdalas linguais (tecido tonsilar na parte de trás da língua). Existem diversas variações de amigdalite: aguda, recorrente, crônica e abscesso peritonsilar.



As infecções virais ou bacterianas e fatores imunológicos levam a tonsilite e suas complicações. Quase todas as crianças nos Estados Unidos experimentam pelo menos um episódio de amigdalite. Devido às melhorias nos tratamentos médicos e cirúrgicos, complicações associadas a amigdalite, incluindo a mortalidade, são raros.

Quem tem mais amigdalite?



Amigdalite ocorre com maior freqüência em crianças, mas raramente em menores de dois anos de idade. Amigdalite causada por bactérias (Streptococcus) normalmente ocorre em crianças de 5 a 15 anos, enquanto a amigdalite viral é mais comum em crianças mais jovens. Um abscesso peritonsilar é geralmente encontrada em adultos jovens, mas pode ocorrer ocasionalmente em crianças. A história do paciente muitas vezes ajuda a identificar o tipo de amigdalite presente (ou seja, aguda, recorrente, crônica).

O que causa a amigdalite?



Os vírus herpes simplex, vírus Epstein-Barr (EBV), citomegalovírus, adenovírus, e vírus do sarampo, são responsáveis pela maior parte dos casos de faringite aguda e amigdalite aguda.

Bactérias causam 15-30 por cento dos casos de faringoamigdalites. Streptococcus pyogenes (GABHS) é a causa mais frequente de amigdalite bacteriana.



Quais são os sintomas da amigdalite?



O tipo de amigdalite determina quais os sintomas que irá ocorrer.



amigdalite aguda: os pacientes apresentam febre, dor de garganta, mau hálito, disfagia (dificuldade para engolir), odinofagia (dor ao engolir), e aumento de linfonodos cervicais. Obstrução das vias aéreas devido a amígdalas inchadas pode ocasionar respiração oral, ronco, pausas respiratórias noturna, ou apnéia do sono. Letargia e mal-estar são comuns. Estes sintomas geralmente desaparecem dentro de três a quatro dias, mas podem durar até duas semanas, apesar da terapia.



amigdalite recorrente: Este diagnóstico é feito quando um indivíduo tem vários episódios de amigdalite aguda em um ano.



• amigdalite crônica: indivíduos muitas vezes têm dor de garganta crônica, halitose, amigdalite, e persistentemente nódulos cervicais aumentados.



Abscesso periamigdaliano: Indivíduos têm, frequentemente, dor de garganta, febre, salivação, mau hálito, trismo (dificuldade de abrir a boca), e qualidade de voz abafada, como a voz de "batata quente" (como se estivesse falando com uma batata quente na sua ou sua boca).

O que acontece durante a visita ao médico?



Seu filho vai passar por um exame de ouvido, nariz, garganta e geral, bem como uma revisão da história médica do mesmo.

Um exame físico de um paciente com amigdalite pode mostrar:



• Febre e aumento das tonsilas inflamadas cobertas por pús.

• Estreptococo beta-hemolítico do Grupo A (pyogenes) pode causar amigdalite associada com a presença de petéquias no palato (pequenas manchas hemorrágicas, do tamanho de uma cabeça de alfinete, no palato mole). Linfonodos no pescoço podem ser palpados. Uma erupção vermelha fina sobre o corpo sugere escarlatina. Geralmente ocorrem em crianças de 5-15 anos de idade.

• Respiração oral e voz abafada resultante do aumento importante das amígdalas. A mudança de voz com amigdalite aguda geralmente não é tão grave como aquela associada com abscesso peritonsilar.

• Aumento de linfonodos cervicais e rigidez de nuca (freqüentemente encontrados em amigdalite aguda).

• Sinais de desidratação (encontrado pelo exame da pele e mucosas).

• A possibilidade de mononucleose infecciosa devido EBV em uma criança ou adolescente mais jovem com amigdalite aguda, particularmente quando há aumento de gânglios cervicais, axilares e / ou  na virilha. Letargia grave, mal-estar e febre baixa acompanham o quadro.

• Uma membrana cinzenta cobrindo as amígdalas que estão inflamadas de uma infecção por EBV. (Esta membrana pode ser removida sem sangramento.). Petéquias em palato (pontos minúsculos no palato mole) também podem ser vistas em uma infecção por EBV.

• Amígdalas inchadas que podem ter pequenas úlceras nas suas superfícies em indivíduos nas amigdalites pelo vírus do herpes simplex (HSV).

• Abaulamento unilateral acima e ao lado de uma das amígdalas quando existem abscessos peritonsilares. Uma mandíbula rígida, dificuldade em abrir a boca, e dor referida para o ouvido podem estar presentes em graus variáveis.

Tratamento

Amigdalite é geralmente tratada com um regime de antibióticos. Reposição de líquidos e controle da dor são importantes. Hospitalização pode ser necessária em casos graves, especialmente quando existe uma obstrução das vias aéreas. Quando a condição é crônica ou recorrente, um procedimento cirúrgico para remover as amígdalas é freqüentemente recomendada. Abscesso peritonsilar pode necessitar de tratamento mais urgente para drenar o abscesso.